Convido você a meditar comigo sobre as 4 chaves da liberdade.

O aprendizado das 4 chaves da liberdade nos ajuda a entender melhor o que é a Liberdade e os elementos que a compõem para que possamos compreender como ser verdadeiramente livre!

Em primeiro lugar precisamos compreender o que é a Liberdade?

“Liberdade é na sua essência o nosso poder de escolher.” – Hugo Jorge

Podemos observar que apesar de condicionados materialmente, espiritualmente temos a liberdade de pensar, falar, agir, querer e ser o que quisermos.

Ser uma pessoa generosa ou avarenta, altruísta ou egoísta apenas depende de nós mesmos, a todo momento podemos escolher o que pensar, falar, agir e querer pois embora possamos ter desejos e emoções negativos ao buscarmos a sua compreensão e transformação, ou seja, ao buscarmos a sua positivação, podemos mudar a nossa maneira de pensar e ser nos libertando cada vez mais das tendências negativas que nos influenciam.

Ao entendermos e assumirmos o nosso poder de escolha podemos começar a nos libertarmos de todas as causas do sofrimento fazendo cada vez mais escolhas melhores, criativas, construtivas e positivas que nos ajudem cada vez mais a evoluir e ascender a mais agradáveis niveis de consciência.

Vou compartilhar com você uma máxima que veio em meditação e que busco usar constantemente no meu dia-a-dia:

“Pensar antes de falar, refletir antes de agir e meditar antes de decidir.”  – Hugo Jorge

meditação mindfulness ajuda a escolher pensamentos

Ao praticarmos meditação com disciplina e dedicação conseguimos ficar cada vez mais atentos no que se passa dentro e fora de nós e focar naquilo que realmente é importante, tendo sempre muito claras nossas prioridades em conformidade com a ordem natural existencial.

Isso quer dizer que primeiro estamos sempre conscientes do que se passa dentro de nós e independentemente dos estimulos exteriores buscamos sempre dentro de nós as causas e as consequências de tudo.

Por exemplo se uma pessoa está irritada e começa a nos transmitir essa energia, reclamando ou nos incomodando ou até mesmo insultando, nós naturalmente somos afetados por essa energia e ela nos puxa para entrarmos na bola de neve e retribuirmos na mesma moeda… mas nós podemos escolher… com a prática da meditação observamos o estímulo externo mas estamos focados na consequência interna pois ela que é importante e ao vermos a emoção, o desejo e o pensamento a entrarem em sintonia com a irritação da outra pessoa podemos escolher compreender o porquê de estarmos sentindo aquilo e o porquê da outra pessoa estar assim, ou seja, vamos buscar a causa do problema para assim chegarmos a uma solução.

Ao utilizarmos a pergunta “porquê?” tanto para nós mesmos como para os outros, estamos elevando a energia de pensamento de passional / emocional para racional pois o porquê nos leva às causas das questões, nos mostra as razões por trás da superfície.

Embora as pessoas tenham uma interpretação errônea relativamente ao “porquê” e confundirem com reclamação “porque isso só me acontece a mim” essa aplicação não é na realidade um questionamento mas sim uma lamúria e uma visão emocional que fica longe do significado que demonstramos da pergunta “porquê?”

Essa consciência de que como somos livres, a todo o momento podemos escolher e essa escolha começa logo nos pensamentos, também nos ajuda a compreender que todas as escolhas têm consequências e que em última análise as nossas escolhas é que determinam a nossa realidade.

Tudo o que nos acontece é uma consequência das nossas escolhas e isso nos leva á primeira chave da liberdade:

1 – RESPONSABILIDADE

responsabilidade social ambiental humana

Lembra-se do filme do homem-aranha em que a determinado momento é pronunciada a frase: “Com grande poder vem grande responsabilidade!”?

Pois é, haverá maior responsabilidade do que determinar a nossa realidade?

Haverá maior responsabilidade do que determinar o que somos através de nossos pensamentos, palavras e ações?

Sabendo que todas as nossas escolhas têm consequências não só para nós mesmos mas também para as pessoas com quem nos relacionamos, será que temos sido e estamos realmente sendo responsáveis em nossa vida?

E quantos de nós realmente têm essa consciência e buscam cada vez mais fazer melhores escolhas que co-criem felicidade para todos?…

Realmente isso não é importante pois nos tira o foco daquilo que precisamos e podemos mudar, nós mesmos.

Questione-se e analise a sua vida, até que ponto você realmente tem assumido a responsabilidade pela sua vida, pelas suas escolhas, ou tem sido inconsequente e fica vivendo de desculpas, culpando o exterior por aquilo que lhe acontece?!…

Não se preocupe que isso é normal, todos temos uma grande tendência a não pensar bem sobre as coisas, agirmos por impulsos e achar que a culpa não é nossa quando as coisas não dão certo.

Mas ao termos consciência disso podemos ir ver na nossa vida o que precisamos mudar, onde tivemos consequencias negativas, qual escolha fizemos que contribuiu para essa consequencia e o que causou realmente essa escolha, para que da próxima possamos escolher melhor e termos consequências positivas.

Para isso é importante aprendermos a meditar, a buscar compreender tudo de forma imparcial e sem julgamentos que nos mantêm no superficial.

Por exemplo alguém enganou você num negócio, prometeu mundos e fundos, você investiu e a pessoa sumiu…

Naturalmente isso causará muita turbulencia de pensamentos, emoções e desejos, a raiva vem, a tristeza vem, a vingança vem e você fica só na posição de vitima culpando a outra pessoa pelo que fez.

Isso apenas agravará o problema pois você não está assumindo a responsabilidade pela escolha que fez que levou a essas consequências e embora a outra pessoa tenha tido uma ação negativa ficar focado nela e no problema não é a solução, continua sendo um problema.

Para você assumir a responsabilidade pela sua vida e ser verdadeiramente livre precisa encarar a realidade que você permitiu que isso acontecesse, fez a escolha de investir e teve consequências desastrosas.

Então a pergunta que precisa fazer a si é “porque escolhi investir?” no sentido de procurar as causas que lhe levaram a tomar essa decisão e poderá encontrar várias razões e depois poderá se perguntar se realmente tinha todas as informações que lhe assegurassem que o investimento era seguro, se você foi prudente ou precipitado, se você tinha realmente razões para confiar na pessoa e garantias de que não iria sair prejudicado.

Enfim não vamos especular muito o importante em tudo isto é compreendermos que podemos ter sempre uma atitude evolutiva de buscar as causas dos problemas afim de encontramos soluções que os evitem futuramente, assumindo assim responsabilidade por nossa liberdade, ou podemos ficar no julgamento culpando “Deus e o Diabo” por tudo que dá errado em nossas vidas…

Diga aí nos comentários qual vai ser sua escolha?!… 😉

O que é ser responsável?

Ser responsável é assumirmos inteira responsabilidade pelas nossas vidas e tudo que acontece nelas.

É não vivermos de desculpas nem admitir que nos usem como desculpa, ou seja, nos culpem por aquilo que não é da nossa responsabilidade.

É sermos livres de culpa e de vergonha pois todo mundo erra e tem defeitos e um deles é ficar tentando escondê-los e enganando os outros e a si mesmo.

É termos cuidado com nossos pensamentos, palavras e ações, sempre analisando e imaginando as possíveis consequências deles antes de os praticarmos.

2 – RESPEITO

respeito é bom e eu gosto

Muitas vezes confundimos respeito com medo… as pessoas pensam que serem respeitadas é os outros terem medo deles e fazerem o que eles querem, lhes obedecerem e seguirem os seus exemplos, vemos muito isso em questões familiares em que os pais querem impor aos filhos a sua maneira de ser, qual profissão devem escolher, etc…

Respeito é o reconhecimento do direito que cada um tem de fazer as suas próprias escolhas e sofrer suas consequências, sejam elas positivas ou negativas.

Respeitar alguém é respeitar a si mesmo, não ficando lhe impondo sua visão querendo oprimir e subjugar o outro o que é indigno de um verdadeiro ser humano.

Ser humano não e apenas uma condição fisica mas sim um nivel de consciência espiritual com uma base de valores, ideais e principios universal que compartilhamos mesmo que na maioria dos casos seja apenas inconscientemente.

Como tal nós todos temos ideias inatas do que as coisas são mas por falta de meditação vivemos num estado de confusão em que achamos que uma coisa é uma coisa quando na realidade ela é outra coisa… deu pra entender? 😉

É como mencionei acima a pessoa confundir respeito com medo ou obediência, confundir amor com paixão, confundir desejos com necessidades, etc…

Quanto mais meditamos e nos aprofundamos na consciência mais começamos cada vez mais a ver e compreender esse código fonte universal onde se encontram esses conceitos que são comuns a todos no seu estado natural, independentes de interpretações parciais.

Atingindo as realizações do que as coisas são na sua essência para todos nos permite entender melhor o que é ser humano e o que sou e os outros são.

Compreendemos que um ser humano é como que uma célula da humanidade e a humanidade é uma célula do planeta terra que é uma célula do espaço que é uma célular do universo que é uma célula da existência… que viagem ein?! 😉

Quando atingimos o Samadhi conseguimos nos sentir conectados com o todo, sendo parte desse grande Todo que também é parte de nós e podemos ver a beleza da ordem natural do amor universal regendo todas as coisas e todos os seres com profunda inteligência evolutiva existêncial.

Por isso Buda dizia que nada é por acaso, tudo tem uma razão de ser, há sempre uma escolha em tudo, uma energia de pensamento em tudo e um propósito em tudo e o maior propósito que podemos enxergar em tudo é evoluir.

Tudo serve para aprendermos e melhorarmos nosso Ser mas para isso precisamos escolher fazer essa caminhada, entrar em harmonia com esse grande Amor que é em tudo e em todos e agradecermos por essa oportunidade de sermos essa pequena célula que tem tudo que precisa para florescer…

Por isso é tão importante aprendermos e desenvolvermos a chave da liberdade que é o Respeito para que possamos ser verdadeiramente livres não podemos querer que tudo seja do nosso jeito, que todos temos o direito de escolher e que há uma vontade maior de felicidade para todos que rege as nossas evoluções e que nos dá essa oportunidade de aprendermos a sermos livres, de aprendermos a amar e vermos o quanto somos amados e aprendermos a ser verdadeiramente felizes contribuindo com todo nosso ser para que todos sejamos felizes.

Osho tem uma frase ótima que diz: “Fracasso é você menos Deus”… medite um pouco sobre isso… feche os olhos e pense na sua vida até agora, onde você tanto quis que as coisas fossem do seu jeito e as vezes quando não deu certo mais à frente você viu que isso foi um livramento, que se tivesse tido o que queria ia ser bem pior para você…

Respeitar a vida, a nós mesmos e os outros é procurar garantir que ninguém é privado de seu direito inato de escolher, de viver, de ser o que quiser, mas obviamente não é ser permissivo deixando que as escolhas dos outros lhe prejudiquem.

Conhece um dos ensinamentos de Jesus que defendeu uma mulher de ser apedrejada dizendo “Quem nunca pecou que atire a primeira pedra!”?!

Esse ensinamento é muito profundo e contém em si a essência da liberdade, da responsabilidade e do respeito pois quem somos nós para ficar julgando os outros pelas escolhas deles quando muitas vezes já fizemos escolhas bem piores?!

Onde está o nosso respeito quando apontamos o dedo e criticamos tudo e todos quando nós não somos nem mais nem menos que eles?!…

É necessário cultivar a nossa consciência pois só assim conseguimos ver o outro como uma extensão de mim, um ser humano como eu com qualidades e defeitos que lá no fundo o que mais quer é ser feliz, amar e ser amado, como eu, mas carecemos de exemplos nesse sentido, falta-nos formação teórica e prática de como ser e fazer isso, por isso precisamos meditar e estudar os exemplos e ensinamentos trazidos pelos Iluminados que a Humanidade tem tido a benção de receber.

Quando você tem consciência de si mesmo e da existência você consegue se libertar do julgamento e comece a receber o entendimento de que todos somos parte da existência e compartilhamos pensamentos, sentimentos, emoções, desejos, vontades, e que se aprendermos a assumir a responsabilidade pela nossa parte respeitando para sermos respeitados podemos juntos construir um mundo melhor para todos.

3 – INDEPENDÊNCIA

independência mental emocional e física

A independência é uma das 4 chaves da liberdade que nos leva a meditar sobre a questão da dependência.

Certamente onde procurarmos ver dependências em nós mesmos encontramos matéria prima para nosso auto-melhoramento e conquista de nossa verdadeira liberdade, pois uma pessoa dependente não é livre.

Existem vários tipos de dependência, entre as quais podemos destacar as dependências mentais, as emocionais, as passionais e as físicas.

As dependências mentais são todas aquelas cuja base de sustentação está no exterior. As pessoas dependem da opinião dos outros, do que leram em livros, da aprovação dos outros, etc…

É muito mais fácil papaguear o que está em livros e o que ouvimos pessoas que consideramos de status superior, como sendo a verdade, do que buscarmos encontrar a nossa própria verdade questionando toda a realidade.

Por isso temos uma Humanidade tão primitiva e atrasada, uma vez que não aprendemos a pensar, a questionar, a explorar todas as possibilidades, ficamos com uma mente condicionada, limitada e pouco racional.

Desde cedo nossos pais nos forçam a acreditar em vez de saber, quantas vezes quando você era criança perguntou “porquê?” e a resposta foi “porque é assim” ou “porque eu digo” e estupidez similar?!…

Na escola somos condicionados a memorizar o que outros disseram, só temos que repetir o que está num livro para podermos ter boas notas e sermos considerados bons alunos e inteligentes… mas memória não é sinónimo de inteligência…

Então o Humano é treinado para acreditar… acredita que os pais é que sabem, que os professores é que sabem, que os livros, os políticos, os padres, os patrões, é que sabem e eles só precisam acreditar, obedecer e repetir… que nem um belo cachorrinho…

Você é um leão, uma leoa, você tem uma capacidade de questionar, de pensar por você, livre de crenças, achismos e sofismos, você precisa resgatar a sua capacidade de perguntar “porquê” e não permitir respostas de que “é assim porque é assim” e similares…

O porquê é uma pergunta que nos leva à causa das questões, às razões pelas quais as coisas são como são, é a base do pensamento racional, a busca pela razão começa na pergunta “porquê?”!

4 – SELETIVIDADE

seletividade escolher escolhas

Você já deve ter ouvido falar do termo “seleção natural” como sendo um processo evolutivo conforme a teoria Darwiniana.

Seletividade é o processo de aprendizado e maturidade de utilização de nosso poder de escolher.

Para sermos seletivos precisamos de ter um conjunto de valores, ideais e príncipios bem claros, pelos quais nos regemos e que servem de base para nossas escolhas.

Você precisa definir o que é importante e não é, o que você quer e não quer, o que você permite e não permite, o que lhe interessa e não interessa, quais as causas e propósitos que te fazem vibrar, tudo isso irá compor aquilo que chamo do “código de ser”.

Quando você tem um “código de ser” bem definido, escolher fica muito mais fácil e se relacionar com a vida e as outras pessoas também.

Quantas vezes você já passou ou causou transtornos por os seus limites ou os das outras pessoas não serem claros?

Quando temos um “código de ser” fica fácil escolher, pois na maioria das vezes nem há uma escolha, há apenas um caminho, o da sua consciência.

Quando você deixa claro para si e para os outros o seu “código de ser” sua relações melhoram porque você não está fingindo ser quem não é, e as pessoas vão valorizar isso, e também você vai afastar as pessoas que preferem falsidades, e/ou, não sabem dar valor ou não têm afinidade com o seu código.

E o melhor de tudo é que você sente-se bem com você pois isso é um ato de verdadeiro amor, ter a coragem de assumir quem você realmente é e não o que a sociedade ou os outros gostariam que você fosse.

Então você não engole sapo, não permite que te rebaixem ou mal tratem, etc… e está sempre bem consigo e com a vida, e ainda ajuda os outros a entenderem o lugar deles.

Ser seletivo começa nos seus pensamentos, palavras e ações. Quando você tem consciência de que seus pensamentos estão indo contra o seu código e você está pensando uma coisa, falando outra e se for preciso ainda fazendo outra, então você precisa parar e analisar as causas desse desequilibrio e buscar entrar em harmonia.

Muitas vezes isso é causado por falta de definição de seu código ou confilto entre o que você é e o que você gostaria de ser, contra, aquilo que a sociedade quer, ou, espera que você seja.

Isso faz-me lembrar a parábola Zen do leão que foi criado por ovelhas… ele cresceu acreditando que era uma ovelha… até que um dia um leão mais velho encontrou o rebanho, matou as ovelhas e levou o jovem leão até ao lago para lhe mostrar o seu reflexo… ai ele viu que afinal ele era um leão… e isso é a meditação… você buscar ver para além da aparência, para além da personalidade, para além daquilo que você é para os outros e você começa a ver quem você é na essência, quando você encontra sua consciência, a partir daí você começa a definir o seu “código de ser”…

Gostou? Comentou! 😉

Compartilhe com quem você está pensando que iria ser ótimo essa pessoa ler isto.

Gratidão,

Hugo Jorge

21 comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

@HugoJorgeOficial

Invalid OAuth access token.
%d blogueiros gostam disto: